João Cordeiro " O precussor da Abolição no Brasil" Conheça a vida e a obra do maior personagem da história santanense.

10/07/2011 17:01

 João Cordeiro nasceu em Sant’Anna a 31 de Agosto de 1842, sendo seus pais João Cordeiro da Costa, nascido a 15 de Abril de 1803 e falecido a 04 de Outubro de 1892, em Fortaleza, e Dona Floriana Angélica da Vera Cruz, falecida em Sant’Anna a 30 de Julho de 1880.

Seus bisavós paternos são de Minas Gerais e os maternos, naturais do Ceará e pertencentes à família Farias.
Com pendor para a vida comercial, foi empregado da firma Severiano Ribeiro da Cunha e Irmão, em Fortaleza e Mossoró, e depois estabeleceu-se por conta própria, fazendo grandes transações na casa, de que era chefe.
No período, tão brilhante para a história cearense, o movimento abolicionista representou papel saliente no posto de Fundador e Presidente da Sociedade Libertadora Cearense.
Dado o movimento a 15 de Novembro de 1890, João Cordeiro, que já muito figurara na política da província como adepto da causa liberal do lado de Rodrigues Júnior, Senador Paula Pessoa, José Pompeu, Liberato Correia e outros, assumiu a direção do movimento no estado e constitui a 16 de Novembro de 1890 com Manoel Bezerra, João Lopes, Barbosa Lima, Catunda, José Bizerril e Lobato de Castro, uma comissão Executiva, que Governou sob  o nome do Cel. Luiz  A  Ferraz, a quem por força das circunstâncias colocara à frente da administração.
Nesse tempo até 04 de Abril de 1891, João Cordeiro teve nas suas mãos os destinos do Estado, deixando naquela data o poder com o ato do Governo Federal, que lavrara sua demissão e do Major Benjamim Liberato Barroso dos cargos de 1º e 2º vice – governadores e lhes dera substitutos nas pessoas do Gal. José  Clarindo de Queiroz e Ten. Cel. Feliciano  Antônio Benjamim, então comandante da Escola Militar do Ceará.
Depois de haver representado o Estado natal, na Câmara dos Deputados Federais por dois mandatos (07-05-1906 à 31-12-1908) e (03-05-1909 à 31-12-1911) e no Senado Federal por dois mandatos (1892 à 1897) e  (1897 à 1905), foi despachado na presidência Nilo Peçanha para Governador do Acre, mas não chegou a assumir a administração, diante da oposição levantada por alguns políticos locais, a quem melhor seduzia a esperança da autonomia do território.
Em 1909 a convite do então Presidente Nilo Peçanha aceitou a nomeação para Prefeito de Alto Juruá no Acre, onde enfrentou o movimento de rebeldia.
João Cordeiro da Costa tomou parte nos movimentos de 17 à 32 e foi grande amigo do Cel. Joaquim Ribeiro. Foi ele quem trouxe preso até Fortaleza o infeliz Cel. Pessoa Anta.
Em sua longa jornada João Cordeiro foi Industrial, Comerciante, Comissário Geral de Socorro Público durante três anos de seca (1877 à 1879), ajudante de ordens do General Floriano Peixoto durante a revolta armada contra o Presidente. Diretor da Caixa Econômica do Ceará (1875 à 1879) , Presidente da Associação Comercial (1877 à 1878) e da Junta Comercial (1884), Presidente de Província do Ceará (16-11-1890 à 04-04-1891). Primeiro Secretário de Fazenda do Ceará
No Senado Federal foi membro das comissões de Comércio, Agricultura, Indústria e Artes, Obras Públicas e Empresas Privilegiadas. Foi participante ativo do movimento abolicionista no Ceará e fundou o Jornal Libertador e o periódico Mossoroense no Rio Grande do Norte.
João Cordeiro foi homenageado em Fortaleza com o nome de uma Rua no Centro da Cidade, recebeu homenagem com nome de ruas em várias cidades cearenses, e em Santana do Acaraú foi homenageado com o nome do Centro Educacional Municipal, de um Distrito na região de Serrota e da principal rua do centro da Cidade.
João Cordeiro faleceu em Fortaleza no dia 12 de Maio de 1931.
Fontes: Dicionário bibliográfico cearense – Barão de Studart
Fragmentos da história política do Ceará – Júlio Abreu