Reflexão

06/08/2011 15:39

 O criador quando autorizou a encarnação dos primeiros espíritos humanos na terra, designou de forma clara quais seriam as leis que deveriam ser obedecidas e isso foi estabelecido numa tentativa de garantir a harmonia para a convivência dos homens entre si. No entanto todas as tentativas de intervenção divina no decorrer da história da humanidade foram em vão. Ao longo dos séculos, criaram-se vários deuses e religiões, todas elas pregando a salvação e o caminho para a pátria espiritual, os séculos se passaram, os tempos mudaram, a ciência surgiu como a luz de uma nova redenção, transplantes de órgão passam a ser realizados com a mesma facilidade que se troca a peça de uma máquina, o sentido da vida fica apenas em um desejo adormecido e os valores espirituais são substituídos pelo desejo ardente do poder. O poder que surge de forma gananciosa vai dissolvendo como um veneno corrosivo todas as possibilidades de aproximação da verdade e da salvação.

Nunca na história universal presenciamos tanta ambição almejada pelo homem, no desejo desenfreado de alimentar seu poder ele é capaz de eliminar a todo custo, tudo que se opõe a seus interesses carregando consigo o peso insuportável de sangue e dor, ecoados pelas bocas sedentas de suas vítimas.
O caminho que o homem traça para si o conduzirá ao destino por ele escolhido e transformará seus sonhos em pesadelos, eliminando de antemão todas as possibilidades de redimir seus erros.
Um lugar no seio do teu povo, está passando por sua fase mais delicada e complexa, servindo como base de preparação para os acontecimentos vindouros que cairão sobre seus habitantes.
Os reinos instituídos na terra da prosperidade preparam uma desintegração simultânea, ocasionando medo, terror, pânico, destruição e o fim de um povo que nasceu para o estrelato.


                                                                                                                                                                                                                                                                      Autor Desconhecido