Terremotos no Japão de 1885 até 1924

19/07/2014 08:12

No Japão, os terremotos com magnitude igual ou superior a 6 são mostrados na tabela a seguir, abrangendo o fim do século 19 e o começo do 20. Observa-se claramente o crescimento contínuo do número de grandes terremotos já na passagem de um século para o outro.

 

Períodos de 10 anos Número de terremotos
1885 a 1894 69

1895 a 1904

127
1905 a 1914 149
1915 a 1924 229

Na América Latina houve três grandes terremotos nos 20 anos compreendidos entre 1926 e 1945. Nos 20 anos seguintes, de 1946 a 1965, houve quatro grandes terremotos. Já nos 20 anos que vão de 1966 a 1985 houve um total de 12 grandes terremotos.

Nos Estados Unidos e no Canadá ocorreram 15 grandes terremotos no período de 30 anos compreendido entre 1911 e 1940; nos 30 anos seguintes, de 1941 a 1970, houve 18 grandes terremotos.

Apenas na década de 70 já haviam ocorrido 10 grandes terremotos na região. Na Califórnia ocorreram, em todo o século 19, 29 grandes terremotos; no século 20, até 1984, já haviam ocorrido 39 grandes terremotos. Em todo o século 19 a capital dos Estados Unidos sentiu seis tremores; no século 20 até 1983, Washington já havia experimentado 19 terremotos.

Esses números são apenas uma amostragem do que vem ocorrendo no mundo todo e demonstram de maneira inequívoca que a humanidade, agora, não tem mais “o solo firme sob os pés”.

Nesses últimos anos do Juízo Final, os terremotos continuarão aumentando em todo o mundo, tanto em quantidade como em intensidade, como um dos mecanismos automáticos de limpeza e purificação da Terra (3).

Não são eventos arbitrários da Natureza, tampouco uma “Provação Divina”, como alegou recentemente o governante de um país atingido por um sismo violentíssimo.

Os trechos selecionados de algumas notícias sobre terremotos e transcritos abaixo – dentre inúmeras outras veiculadas num período aproximado de três anos – mostram a total vulnerabilidade do ser humano frente a esse acontecimento da Natureza.

A magnitude dos fenômenos e a perplexidade de sobreviventes e repórteres, evidenciada em seus comentários, é um reconhecimento forçado da incapacidade humana de dominar, com o seu intelecto, as forças da Natureza. O ser humano não pode dominar com a sua “inteligência” os fenômenos da Natureza, ainda mais quando estes lhes trazem o indesviável retorno cármico de suas más ações.

Atualmente esse correto sentimento de incapacidade já está se difundindo na chamada “ciência de previsão de terremotos”. Muitos sismólogos americanos admitem que as tentativas de encontrar uma maneira de avisar as pessoas com minutos ou horas antes da ocorrência de um terremoto resultaram inúteis.

O sismólogo californiano Thomas Heanton afirmou que “a sensação de otimismo inicial se transformou em pessimismo”. Numa entrevista sobre o assunto, Heanton desabafou: “Se terremotos não podem ser previstos, como se deveria gastar os US$ 100 milhões reservados nos Estados Unidos para a pesquisa de previsão dos terremotos? (…) Nós nunca seremos capazes de prever em detalhes quando um terremoto se tornará grande”.

Que distância não existe entre essas palavras e o tempo em que os seres humanos ainda viviam em harmonia com a Natureza! Numa época em que eram avisados a tempo sobre terremotos e outros fenômenos naturais pelos “enteais”, os Seres da Natureza, relegados hoje aos contos de fadas e grotescamente desfigurados nas imagens dos bonecos vendidos em lojas esotéricas.

Afastados do amor prestimoso dos enteais, confiando tão-somente no seu raciocínio, e, por isso, agindo obstinadamente de modo contrário às Leis da Natureza, os seres humanos ficam hoje impotentes e perplexos ante o recrudescimento dos fenômenos da Natureza:

• “Tremor propagou-se da Argentina ao Canadá. (…) Especialistas do Centro de Pesquisa Geológica de Minessota disseram que o fenômeno foi ‘extremamente raro’.”

• “O terremoto de ontem foi sentido em todo o território japonês, em diferentes graus de intensidade. (…) Foi um dos mais fortes dos últimos 26 anos.”

• “Terremoto seguido de maremoto mata 45 e fere 135 nas Filipinas. (…) Mais de 600 tremores secundários foram registrados. (…) ‘O Terremoto foi acompanhado de um rugido. Depois vieram as ondas, de 10 a 15 metros’, disse o governador Rod Valencia. (…) ‘Acordamos com um barulho ensurdecedor; quando tentamos sair, as ondas enormes se precipitaram sobre nós’, disse uma senhora que perdeu quatro filhos.”

• “Tremor no Japão é o pior em 47 anos. (…) ‘Pior do que a Segunda Guerra’, diz sobrevivente. (…) Há um ano, quando um terremoto de magnitude semelhante atingiu a região de Los Angeles, marcando o mundo com imagens de vias expressas desabadas, os engenheiros japoneses se gabaram, dizendo que a mesma coisa não aconteceria por aqui. Os prédios japoneses eram melhor projetados e construídos, segundo eles. Mas ontem eles reavaliaram suas posições.” (Relato de um correspondente internacional sobre o terremoto de Kobe, Japão.)

• “Terremoto no Japão faz milhares de vítimas. (…) Fim do mundo. Essa foi a impressão da maioria das pessoas que residem nas áreas afetadas pelo terremoto.”

• “O terremoto, o pior dos últimos setenta anos no Japão, derrubou casas e edifícios e transformou quarteirões inteiros em gigantescas fogueiras, cujas labaredas ainda crepitavam depois de três dias.”

• “O vice-premier russo Oleg Soskovets disse que o terremoto pode ter sido ‘o pior de toda a história da Rússia’.”

• “Dois tremores de terra atingiram Roma na noite de ontem. (…) Tremores são raros na capital italiana.”

• “Foi o sismo mais forte da década no México. (…) Milhões de pessoas saíram às ruas.”

• “(…) Quatro mil casas foram destruídas e mais de mil tiveram suas estruturas comprometidas. (…) ‘Nossa cidade sumiu’, disse um morador de Dinar (na Turquia).”

• “O sismo que devastou a cidade de Sungai Penuh (na Indonésia) é o mais forte a atingir o país desde o começo do século.”

• “Cerca de 400 tremores de terra foram registrados na Mongólia nos últimos dois dias.”

• “Como foi a primeira vez que Taiobeiras (cidade de Minas Gerais – Brasil) registrou o fenômeno, muita gente pensou tratar-se do fim do mundo.”

• “Uma série de pequenos tremores está deixando amedrontados os moradores da pequena cidade de Cajuru (estado de São Paulo).”

• “Pelo menos 304 pessoas morreram e 14 mil ficaram feridas no mais violento terremoto dos últimos oito anos na China. (…) Há mais de 186 mil casas destruídas e pelo menos 300 mil desabrigados.”

• “O maremoto (na costa do Peru) ocorreu depois de um terremoto de 6,7 graus na escala Richter no Oceano Pacífico. Outro terremoto, na região central do Chile, causou pânico ontem na capital, Santiago.”

• “Ter uma sucessão de três terremotos sérios numa determinada área em cerca de seis meses é um fenômeno bastante incomum nos últimos anos, disse Li Xuanhu, um dos diretores do Centro de Sismologia da China.”

• “O tremor foi seguido por mais de 300 réplicas de menor intensidade, que se estenderam até a manhã de ontem (no Equador).”

• “O tremor de sábado foi o pior na região de Lijiang (na China) desde 1474.”

• “Equipes de resgate acreditam que o número de mortos pode chegar a 3 mil (no Irã). (…) A movimentação sísmica dos últimos três dias segue-se a uma intensa atividade registrada em seqüência na Armênia, China, Paquistão e Japão.”

• “Duzentas aldeias foram destruídas, sete foram literalmente engolidas pela terra (no Irã). (…) Mais de 4 mil pessoas morreram . (…) ‘O tremor foi tão forte que várias vezes tentei sair de casa, mas fui empurrada para as paredes’, contou a dona de casa Fatemeh Rafie. ‘O solo formava ondas de quase meio metro; parecia que eu estava no mar’.”

• “Uma série de terremotos atingiu ontem várias partes do mundo (Índia, Espanha, México, El Salvador).”

• “O terremoto que atingiu o litoral nordeste da Venezuela foi tão forte que a terra tremeu em Manaus, a 1.500 quilômetros de distância. (…) Foi o pior tremor na Venezuela em três décadas.”

• “ ‘Parece que houve um bombardeio sobre a basílica’, comentou Antônio Paolucci, ex-ministro da Cultura e encarregado, junto com especialistas, de avaliar os danos à preciosa Igreja de São Francisco de Assis. (…) De acordo com restauradores, o verdadeiro desastre está nos danos a centenas de igrejas romanas e pré-romanas de Marche e da Úmbria.” (Obs.: Esse terremoto ocorreu setembro de 1997. Em março de 1998 um novo tremor atingiu o centro da Itália, fazendo balançar novamente a Igreja de Assis, causando danos no mosteiro de Santa Clara.

O supervisor das obras de restauração da igreja exclamou: “Nós estávamos trabalhando no interior da igreja, quando tudo começou a tremer de novo. Entramos em pânico e saímos correndo para a rua.”)

• “O primeiro abalo foi seguido por mais de cem réplicas (na Indonésia).”

• “Quase no mesmo horário do terremoto do Chile, dois tremores de intensidade mediana foram sentidos no centro da Argentina; também foram registrados tremores perto das ilhas Fiji e na Grécia. Anteontem um sismo de 4,9 graus havia atingido a região central da Itália.”

• “Tremor assusta população de Mato Grosso. O sismo, de 5 graus na escala Richter, foi o segundo maior já registrado no Brasil. O primeiro aconteceu na mesma região, em janeiro de 1995, e chegou a 5,6 graus.

• “Pelo menos 4.400 corpos foram recuperados dos escombros deixados após o terremoto ocorrido terça-feira no Afeganistão. O porta-voz da aliança militar que controla a área disse que as colinas caíram umas sobre as outras, formando uma cratera gigante. Mais de 20 povoados foram destruídos.”

• Mais de 300 mil pessoas morreram no maior Tsunami já visto na história do homem, em 26 de dezembro de 2004.

• No início de setembro de 2005 os EUA sofreram a pior catástrofe natural de sua história, o que se poderia chamar de “o 11 de setembro da Natureza”. Milhares de mortos e desabrigados devastaram diversas cidades, entre elas New Orleans, a “capital do Jazz”.

Notas de Texto

(1) Dados obtidos do Federal Institute for Geosciences and Natural Resources.

(2) Esses dados foram obtidos pelo Dr. Steve no “The Citizen’s Guide to Geologic Hazards

(3). Numa amostragem aleatória entre maio e dezembro de 1995, registraram-se 33 fortes terremotos em todo o mundo, que causaram danos e mortes em número suficientemente elevado para serem notícias de jornais. Os países atingidos foram: Estados Unidos, Grécia, Rússia, Itália, Japão, China, Birmânia, Indonésia, Peru, Chile, México, Turquia, Argélia, Equador, Egito, Israel, Jordânia, Nicarágua e Colômbia.