Primeiros habitantes da América não pertenciam à cultura Clóvis

13/07/2012 06:45

Um grupo de pesquisadores afirmou nesta quinta-feira que pontas de flechas incomuns descobertas em uma caverna do Oregon, nos Estados Unidos, sugerem que os primeiros habitantes da América do Norte pertenciam a uma cultura diferente da Clóvis. Análises de DNA de fezes fossilizadas encontradas nas cavernas de Paisley revelam a presença de humanos na região há 13,2 mil anos, antes da cultura Clóvis chegar ao continente.

Curiosamente, outra pesquisa, divulgada ontem, indica que os primeiros humanos das Américas vieram para o continente em três ondas migratórias há mais de 15 mil anos. O estudo, divulgado na Nature foi deito de forma diferente: ele se baseou principalmente em DNA de diversos povos indígenas, do Canadá à Terra do Fogo.

As conclusões do estudo de hoje, publicadas na revista Science, acrescentam novas informações ao debate sobre os primeiros habitantes da América do Norte e sobre as origens da cultura indígena americana. A teoria mais aceita estabelece que os primeiros habitantes das Américas, a cultura Clóvis, chegaram da Ásia cruzando a ponte terrestre para o Alasca ao final da última era glacial.

Mas as pontas de flechas descobertas foram fabricadas de forma completamente distinta às da cultura Clóvis e colocam em xeque a teoria de que apenas um grupo colonizou o território americano. "Estas duas formas de fazer pontas de flechas são realmente muito diferentes", explicou Loren Davis, da Universidade do Oregon.

"O fato de que as técnicas das pontas da tradição Western Stemmed (WST) coincidam totalmente e que sejam anteriores às dos Clovis significa, provavelmente, que os Clóvis não foram a única população fundadora das Américas".

A técnica de elaborar pontas de pedra com encaixe para a flecha ou lança tem origem há milhares de anos, na Ásia, mas o método encontrado no estado do Oregon não é o mesmo. "Esta é uma tecnologia que parece ter se desenvolvido na América do Norte. Temos um conjunto completo que reconhecemos como da tradição Western Stemmed", disse o principal autor do estudo, Dennis Jenkins, da Universidade do Oregon.

Outras pontas com técnica WST foram encontradas em sítios de Idaho e Nevada. As pontas de flechas achadas no Oregon parecem ter, aproximadamente, a mesma idade das de Clóvis, mas são diferentes na base que as unem à vara.

"O grande achado aqui (...) é que demonstramos que estas pontas da tradição Wester Stemmed datam da mesma época das de Clóvis", disse Jenkins à imprensa. "Não há evidência dos Clóvis ou de qualquer antepassado dos Clóvis nas cavernas, o que sugere que há aqui, ao mesmo tempo, pelo menos duas tecnologias ou culturas, se preferem chamar assim".

Vestígios de culturas passadas foram encontrados nas cavernas de Paisley pela primeira vez no final de 1930, quando Luther Cressman, do departamento de antropologia da Universidade do Oregon, achou ossos de camelos, bisões e cavalos junto a objetos de obsidiana.