Revelações de Ramatis sobre o Astro Intruso - 7ª parte – A Meditação propicia a obtenção do crescimento individual.

02/07/2012 15:35

 

 
No texto a seguir Ramatis nos convida a uma reflexão sobre o porque do homem repetir continuamente hábitos que não propiciam sua evolução espiritual em decorrência exigindo que o ciclo de higienização do planeta se repita por milhares de anos, numa tentativa de que o pensamento mais íntimo dos indivíduos se abra para um reflexão sobre os seus atos na matéria. É nesta condição que Ramatis esclarece-nos sobre a importância do conhecimento que armazenamos ao longo de sucessivas vidas, conhecimentos estes oriundos da Luz Divina o qual como em um estado de congelamento permanece inerte em cada ser até que por um momento de reflexão induzido pela meditação sobre os fatos da vida, este conhecimento é resgatado da memória, clareando a compreensão sobre os caminhos da evolução.

Pergunta: Pelo seu relato nos capítulos anteriores a Terra será destruída em quase sua totalidade, restando poucos homens. Eles patrocinarão o renascimento da civilização?
Ramatis: Foi o que ocorreu em situação anterior, quando da existência de Atlântida, que era um importante centro cultural e tecnológico do planeta, bom como a Lemúria. O conhecimento era difundido por inúmeras regiões, principalmente para onde estão atualmente a Europa Mediterrânea e a Ásia. Após o desaparecimento da Atlântida e da Lemúria, locais como Índia, Tibet, Nepal, Irã e China Oriental tornaram-se herdeiros desse conhecimento, que passou a ser divulgado sob a forma religiosa...sendo hoje chamado em sua essência global de pensamento oriental. O mesmo voltará a acontecer com a REGIÃO DA ÍNDIA, DO TIBET, E DO NEPAL, PRINCIPALMENTE, A QUAL VOLTARÁ A SER O GRANDE PÓLO DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO ESPIRITUAL...As demais regiões serão habitadas por povos remanescentes das culturas anteriores, em lugares longe das área litorâneas, notadamente aqueles homens ligados a natureza por opção e mesmo por sobrevivência, como índios, habitantes das selvas e das margens dos rios, e outros que sempre depenseram da caça e das florestas para sobreviver. As grande metrópoles serão extintas não deixando vestígios, literalmente apagadas pelos terremotos, maremotos, furacões, enchentes, deslizamentos e outros acidentes climáticos de grande vulto. (Pg.71)

Pergunta: Por que locais como Índia, Tibet e Nepal herdam apenas os conhecimentos místicos-religiosos, abandonando os de tecnologia avançada?
Ramatis: OS CONHECIMENTOS TECNOLÓGICOS NÃO SERÃO ABANDONADOS, MAS PERDIDOS. Pois dependem de sistemas de computação, onde estão armazenados. Com a destruição da infraestrutura de comunicações, das indústrias de informação, e dos meios de transporte, tudo desparece. Os anais do conhecimento humano nessa área tecnológica tornam-se irrecuperáveis em termos materiais. E em termos humanos não será possível transmitir o conhecimento científico, pois haverá carência de professores de material didático.
Tudo isso é uma consequência do mau uso da tecnologia pelos homens, porque quanto mais alcançam o saber científico, mais o utilizam em benefício da matéria desprezando a evolução do espírito. Por essa razão tudo volta ao ponto de partida quando se fala em higienização do planeta. E isso também prova que o conhecimento espiritual é imortal, podendo ser levado através do infinito, enquanto que o conhecimento material se perde rapidamente (Pg.71)

Pergunta: Estamos sempre vendo um grande movimento que saúda a Nova Era. São marcados encontros e seminários, grandes eventos. Fala-se bastante na abertura de portais que iluminam os adeptos. O que pode dize sobre isso?
Ramatis: Eventos e comemorações que despertam os homens para o que existe de melhor devem ser elogiados, da mesma forma que encontros que busquem a aproximação entre os homens e as religiões, principalmente quando ligados aos fenômenos naturais em louvor a Deus... Da mesma forma que se deve despertar a humanidade para o que ele tem de melhor, deve-se acorda-la também para que ela descubra as próprias imperfeições, pois a evolução do espírito se baseia tanto no despertar das virtudes quanto na transmutação dos defeitos. NÃO ADIANTA FICAR APENAS OLHANDO O LADO BOM DA VIDA SEM ENTENDER QUE TODOS SÃO IMPERFEITOS E PRECISAM CURAR SUAS MAZELAS ESPIRITUAIS. Caso contrário não se aproveita devidamente a encarnação. (Pg.73)

Pergunta: Como sair desse modo de sonhar que contraria os princípios da espiritualidade?
Ramatis: Sonhar não é errado, mas os homens louvam a espiritualidade, a glorificam, porém não querem sair da esfera dos prazeres materiais. É bastante contraditório. Desejam que a espiritualidade os proteja, mas também querem continuar com seus vícios, vontades desprezíveis e desequilíbrios, sempre vivendo na matéria e da matéria, para o fortalecimento de uma vida material...Se a espiritualidade concordasse em proteger esse estado de coisas estaria jogando o mundo no caos. A maior proteção que se dá aos homens é a educação sadia, são as emanações eletromagnéticas que fazem cada um pensar sobre as próprias deficiência e meditar para encontrar o caminho da evolução. Não esperem que a espiritualidade construa para os homens mundos materiais e os proteja do alto para desenvolverem suas imperfeições de modo contínuo. (Pg.74)

Pergunta: É possível esclarecer o porque dos espíritos esquecerem com tanta facilidade o conhecimento adquirido, cometendo erros muitos similares aos anteriormente praticados? Não seria mais fácil o contrário, ou seja, pôr em execução o aprendizado, visto que o eletromagnestismo transporta o conhecimento de forma contínua?
Ramatis: Vamos aceitar que o conhecimento origina-se de pulsos da luz divina. À medida que ele é absorvido por determinado espírito, ele o armazena de forma definitiva em seus átomos psíquicos. Mas isso não significa que vá utilizá-lo. A luz do conhecimento, mesmo dinâmica, pode ficar assim estagnada ou imobilizada conforme o livre-arbítrio determina. Quando tal processo ocorre no plano material da Terra, o armazenamento da luz estagnada, em determinada trajetória, pode corresponder a frações ínfimas de segundo nesse estado, caindo no esquecimento por não ter sido percebido o processo. Porém transportadas para a escala espiritual, essas simples frações de segundo no éther equivalem a milhões de anos terrestres. Mas, como o plano espiritual é atemporal, o registro desprezado pode ficar nesse estado de congelamento pela eternidade, latente e inexplorado. Os homens ainda têm muito a aprender com isso, pois vincula-se à tecnologia de armazenamento da luz por intermédio do congelamento.
Evidentemente que os pulsos da luz divina são contínuos, tendendo ao infinito e à eternidade, fato que gera a dinâmica em torno do espírito, que em determinado momento perceberá as informações que o rodeiam e as associará ao seu arquivo que se encontra recusado, numa linguagem quântica. Nos planos evolutivos da matéria, a aceitação do conhecimento, até então ignorado, pode, assim, ser despertado pela inteligência, ou pela provação. Mas em algum instante, ele será aceito, como forma do espírito se adequar à dinâmica natural que o ilumina. Isso ocorre quando o livre-arbítrio percebe estar alheio a informações que trazem ao espírito maior paz interior e auto-realização. (Pg.77)

Pergunta: Suas respostas realmente tocam muito no tema esquecimento do ser humano. E na prática é isso mesmo que acontece.
Ramatis: Se abordarmos a questão sob o prisma da matéria, é natural que o ser humano tenda a esquecer, devido as imitações de sua mente densa, como vimos. Por outro lado, a memória do espírito é eterna e ilimitada no armazenamento das informações, e até disso o homem esquece. Existem duas maneiras de ser estimulada a memória do espírito. Primeiro, pelas provações e segundo, pela própria percepção do homem quanto à dinâmica do meio onde vive...Antes de tudo, é preciso saber que, a cada momento da vida, o ser humano visualiza várias imagens e presencia acontecimentos carregados de informações, que são registradas convenientemente em seu hipocampo, porém não são processadas, de modo que inúmeros ensinamentos permaneçam adormecidos. Por isso, a meditação é fundamental. Para que os registros da mente do corpo denso sejam resgatados e processados sobe o enfoque dos símbolos e das analogias, que promovem ensinamentos ou revelam o caminho do aprendizado...E quando acontece, o espírito tira a informação de seu arquivo mental e a assimila em sua constituição atômica sob a forma de aprendizado, que ali permanece em definitivo, não sendo mais esquecido. (Pg. 78)

Pergunta: Em outras palavras, o ser humano medita pouco?
Ramatis: Afirmo que sim, pois dedica seu tempo a pensamentos que na maior parte são improdutivos quanto às coisas do espírito. O comum é um indivíduo ver inúmeros acontecimentos diariamente, porém não filtrar, ou nem se importar com os ensinamentos que deles partem...Em geral, os pensamentos humanos estão voltados para programas na matéria, gerando ações de curtíssimo prazo de caráter efêmero. Assim os ensinamentos não são incorporados ao espírito no ritmo necessário a evolução. Os homens agem mal porque pensam mal, nem sempre no sentido da maldade, mas da imperfeição.
E os resultados são os que já conhecemos: atitudes inconsequentes, difusoras de problemas e geradoras de carmas, sendo que as provações também serão inócuas se não forem compreendidas e assimiladas como ensinamentos. (Pg. 79)

Pergunta: E as provações poderão ser repetidas até que o aprendizado ocorra?
Ramatis: Isso mesmo. Um indivíduo poderá passar pela mesma provação quantas vezes quantas for necessário, ou pelo tempo que Deus determinar, até que assimile os ensinamentos pertinentes às provas. Daí a importância da resignação e da meditação, pois um ser resignado alcança a paz e, tranquilo, pode meditar para entender o porque da provação, incorporando ao seu espírito os ensinamentos necessários, para não repetir o erro em outras ocasiões. (Pg. 79)

Pergunta: Sintetizando, a evolução é sempre e será uma questão individual?
Ramatis: Exato. Não adianta alguém encarnar em planetas altamente desenvolvidos espiritualmente, achando que isso será o suficiente para transmuta-lo. Nada ou ninguém transmuta alguém se este não desejar. Trata-se de trabalho do fórum íntimo de cada um, estabelecido pelo livre-arbítrio. (Pg. 80)

Na próxima postagem daremos continuidade aos comentários de Ramatis sobre a Terra após a passagem do astro intruso.

Prof. Sidney Santana